Um livro, um filme, uma música por Renatinha Maia

· 4 Comentários

Certa vez, recém chegada no trabalho novo fui fazer um mapa astral. A astróloga disse que eu estava no lugar certo e que estava vivendo um reencontro com amigos de outras vidas. Bom, deve ser  verdade porque já faz alguns anos que eu não trabalho mais lá e a amizade continua firme e forte. Uma dessas pessoas é a Renatinha, doce e meiga para quem não conhece, bronquinha e cheia de atitude para quem sabe bem quem ela é de verdade. Pega o caderninho para anotar essas dicas, a Renatinha tem critério e não perde tempo falando nada que não tenha valor.

um-filme-um-livro-uma-musica-renatinha

Filme + livro + música é quase um tripé da felicidade (ok, faltou comida, mas isso aqui é um blog de vida saudável). Tem tanta coisa que eu amo, que escolher só três passa perto de tortura chinesa. Mas, vejo esse canto como uma oportunidade da gente fugir um pouco do óbvio e indicar maravilhas que podem ter passado batidas.

 

Filme: Intocáveis (The Intouchables). Não é aquele clássico do Brian de Palma com o Kevin Costner, esse aqui veio da França. É baseado na história real de um milionário tetraplégico e o cara de origem humilde que ele contrata pra ser seu cuidador. Parece dramático, mas te surpreende com um olhar totalmente positivo sobre a vida. É hilário e doce. Saí mais leve que da aula de spinning.

 

Livro: Extremamente alto e incrivelmente perto do Jonathan Safran Foer. Espero que já tenha morrido de rir no filme acima, porque esse livro vai te fazer chorar um pouco. Não queria entregar nada, mas começamos com um menino incrível que encontra uma chave deixada pelo pai, morto no 11/9, e sua busca pelo que ela abre. Tem muito mais coisa e escrita nada convencional. É pura lindeza.

 

Música: Capitão Gancho, Clarice Falcão. Será que tenho coração mole? As dicas envolvendo sangue/violência ficam pra próxima. Pra mim essa música fala sobre não pedir desculpa por ser quem a gente é. Lembra a história por trás de cada um. Recomendo o cd todo (como é que fala na modernidade, álbum?), o nome é Monomania. As músicas são românticas-exageradas-quase-psicopatas, irônicas, auto-debochadas (inventei essa) e muito boas.

 

E aí gostaram??

Se quiser participar é só mandas suas dicas para [email protected] com o assunto Um livro, um filme uma música.

 

4 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *